Trump se entrega à polícia na Geórgia em processo sobre fraude eleitoral

Ex-presidente dos Estados Unidos cumpre protocolo e não ficará preso porque pagou fiança de US$ 200 mil para responder em liberdade

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump se entregou à polícia do condado de Fulton, na Geórgia, por volta das 20h30 (horário de Brasília) desta quinta-feira (24), no processo que apura supostas fraudes eleitorais do republicano na eleição de 2020.

Ele ficou detido por cerca de 20 minutos. O registro mostra que Trump tem 1,80 m de altura e pesa 97 kg. Ele está listado como tendo olhos azuis e cabelos loiros ou cor de morango.

Registros da prisão mostram que Trump foi detido e autuado como preso nº P01135809.

Trump é acusado de violar a lei de extorsão e também responde por subversão eleitoral no estado, tentando reverter a derrota para Joe Biden na eleição de 2020.

Ele recebeu 13 acusações na semana passada, encabeçadas pela promotora Fani Willis, que está à frente das investigações do caso. Além dele, outras 18 pessoas também foram acusadas formalmente no caso eleitoral na Geórgia.

Na segunda-feira (21), Trump concordou em pagar fiança de US$ 200 mil para responder ao processo em liberdade. O valor equivale a aproximadamente R$ 1 milhão.

Acusações e processo

A acusação de Willis diz que “Trump e os outros réus citados nessa acusação se recusaram a aceitar que Trump perdeu e, consciente e voluntariamente, se juntaram a uma conspiração para mudar ilegalmente o resultado da eleição em favor” do ex-presidente.

“Essa conspiração continha plano e propósito comuns de cometer dois ou mais atos de extorsão no condado de Fulton, na Geórgia, em outras partes do estado da Geórgia e em outros estados”, completa.

Um telefonema feito em janeiro de 2021, em que Trump instou o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, a “encontrar” quase 12 mil votos que colocariam sua margem de votos à frente da Biden, mostrou até onde o então presidente iria para reverter sua derrota no estado, segundo a promotoria.

O controle republicano da legislatura e do poder executivo na Geórgia fez o estado ser um dos maiores alvos de Trump.

Um dia após primeiro debate do partido Republicano

O ex-presidente se entrega após a realização, na noite de quarta-feira (23), do primeiro debate das prévias republicanas.

Apesar de ser o favorito nas pesquisas de intenção de votos, Trump não participou e disse a seus rivais que desistissem da disputa.

O confronto teve a presença de oito políticos do partido que conseguiram cumprir as regras do comitê eleitoral, como chegar a 40 mil doadores individuais de campanha e registrar pelo menos 1% de apoio em três sondagens nacionais ou em duas sondagens nacionais e duas sondagens estaduais que cumprissem os critérios do comitê.

Foram eles:

  • Doug Burgum, governador da Dakota do Norte;
  • Chris Christie, ex-governador de Nova Jersey;
  • Ron DeSantis, governador da Flórida;
  • Nikki Haley, ex-governadora da Carolina do Sul;
  • Asa Hutchinson, ex-governador do Arkansas;
  • Mike Pence, ex-vice-presidente;
  • Vivek Ramaswamy, empresário;
  • Tim Scott, senador pela Carolina do Sul.

Apesar de não ter participado do debate, Trump deverá se dividir entre os tribunais e os palanques até a eleição presidencial de 2024.

Apesar de uma condenação não ter o poder de torná-lo inelegível nos Estados Unidos, pode ter impacto muito negativo junto ao eleitorado, principalmente os independentes.

Outros acusados se entregam

Na quarta-feira, dois dos principais advogados eleitorais de Trump, Rudy Giuliani e Sidney Powell, já haviam se entregado. O primeiro aceitou pagar US$ 150 mil em fiança e o segundo, US$ 100 mil para poderem responder em liberdade.

No mesmo dia, Kenneth Chesebro, que arquitetou na campanha de Trump a trama de que havia eleitores falsos, também se rendeu.

John Eastman, também ex-advogado de Trump, e Scott Hall, analista de pesquisas eleitorais republicano, se entregaram à Justiça na última terça-feira (22).

Além deles e de Trump, outros 13 acusados tem até sexta-feira (25) para se entregar, já que a promotora de Fulton, Fani Willis, acusou formalmente 19 pessoas de participarem de esquemas para interferir nos resultados eleitorais da Geórgia. São eles:

  • Mark Meadows, chefe de gabinete da Casa Branca;
  • Jeffrey Clark, alto funcionário do Departamento de Justiça;
  • Jenna Ellis, advogada da campanha de Trump;
  • Robert Cheeley, advogado que promoveu reivindicações de fraude;
  • Mike Roman, funcionário da campanha de Trump;
  • David Shafer, presidente do Partido Republicano da Geórgia e eleitor falso;
  • Shawn Still, falso eleitor republicano;
  • Stephen Lee, pastor ligado à intimidação de trabalhadores eleitorais;
  • Harrison Floyd, líder do Black Voices para Trump;
  • Trevian Kutti, publicitário ligado à intimidação de trabalhadores eleitorais;
  • Cathy Latham, eleitora falsa do Partido Republicano ligada à violação de Coffee County;
  • Misty Hampton, supervisora ​​das eleições do Condado de Coffee;
  • Ray Smith, advogado da campanha de Trump.

A sexta-feira foi o prazo estabelecido por Willis no momento em que ela revelou a acusação, na semana passada, sobre as tentativas de reverter a derrota de Trump para Joe Biden nas eleições de 2020.

Willis vem reunindo com os réus e negociando os termos de contrato de fiança.

Botão Voltar ao topo